joomla 1.6

Colorir é importante!

COR: Elemento básico e um recurso fundamental em decoração, para destacar peças, móveis e o próprio ambiente, pois através dela, consegue-se obter luminosidade, aconchego, dinamismo ou mesmo a ampliação visual do espaço.

Na composição de um ambiente, teto e paredes constituem o fundo sobre o qual são colocados os demais elementos decorativos. Suas cores participam, assim, de modo determinante, no resultado da ambientação, interferindo nele, como massas de cor que representam, de tal modo que podem até modificar opticamente as dimensões de um aposento ou mexer com o ânimo dos moradores.

Você é capaz de mudar a cara de um ambiente utilizando uma cor audaciosa na medida certa, saber dosar tons vibrantes e suaves, utilizar cores nos detalhes ou modernizar um sofá antigo utilizando este recurso fazem parte dos truques para colorir com sucesso.

• As cores quentes (amarelos, laranjas e vermelhos) aplicadas sobre uma superfície, dão a sensação de proximidade a quem as olha.

• Ao contrário, as cores frias (azuis, verdes e violetas) produzem sensação de distanciamento e, conseqüentemente, de abertura do espaço, tanto maior for o ambiente quanto mais clara for a tinta.

Em geral você pode utilizar essas regrinhas que ajudam a corrigir os ambientes:

Um hambiente muito grande:
Pode ser diminuído visualmente pintando-se as paredes e o teto com uma só cor quente.

Em um ambiente pequeno:
A redução do espaço pode ser atenuada com o uso de cores claras nas paredes, contrastando com tons mais escuros no teto e no piso.

Para um teto muito alto:
A solução é pintá-lo de uma cor quente e escura. Uma faixa de 20 a 30cm na parede, junto ao teto, acentuará o efeito de rebaixamento.

Já um teto muito baixo:
Requer cores claras e frias na totalidade das paredes e no teto, cores quentes de tons médios.

Um ambiente desproporcional:
Por exemplo, estreita e comprida, pode ser corrigida pintando-se as paredes menores com cores quentes e as maiores de tons frios.

Detalhes arquitetônicos:
Ângulos, colunas, nichos, podem ser valorizados através da pintura.



Você precisa se decidir por um esquema de cores, não pode ter medo de “ousar” em determinadas ocasiões, pois temos a tendência a nos restringir aos tons neutros, como os beges, para não corrermos o risco de errar ou nos arrepender. Fuja do gelo, tão usado há tempos atrás, mas muito ingrato, pois traz um clima de tristeza nada aconchegante.

Podemos escolher um esquema de cores primárias (azul, vermelho e amarelo), que juntas, são puro contraste! Difícil de utilizar, mas quando bem feito causa impacto e deixa o ambiente alegre e vibrante.

Outra dica para se manter a boa harmonia das cores é limitar seu número num determinado esquema. Independentemente de quantas cores venha usar, lembre-se: só deve haver uma cor dominante, que determine o tom geral do esquema. As demais deverão estar claramente subordinadas a ela, em termos de luminosidade, saturação, tamanho ou complementaridade. O uso de duas ou três cores em qualquer esquema geralmente é suficiente. Mais que isso, já deverão ser selecionadas com muito cuidado: nada parece pior que o uso de muitas cores, especialmente se houver falta de afinidade entre algumas delas.

Você pode também optar por um esquema de cores naturais que são aquelas que encontramos na própria natureza, são naturalmente harmoniosas, pois na natureza não há conflito de matizes, como num hibisco de flores vermelhas e folhas verde-escuros. Apesar de serem cores complementares, elas possuem uma grande variedade de tons claros e escuros, que torna o conjunto um todo harmonioso.

Usar o branco, preto ou cinza é sempre uma boa solução para harmonizar cores excessivamente fortes ou muito rivais, pois uma acaba cancelando o efeito da outra. Quando estamos na dúvida quanto a determinada combinação, uma boa solução é usar cores acromáticas. Um erro comum quando criamos um esquema é usar matizes muito fortes. Por outro lado, branco e preto têm a simplicidade e a elegância que atraem a nossa atenção como as mais imponentes cores vivas, sem nos aborrecer com os conflitos de um esquema mal elaborado.

As cores emitem ondas eletromagnéticas que exercem efeitos sobre o nosso sistema nervoso e, por isso, influenciam no nosso estado físico e emocional. O próprio Feng shui (filosofia chinesa milenar) nos diz também quais são as melhores cores para se conseguir bem estar e harmonia em nossa casa.

Vejamos as sensações provocadas por cada matiz:

VERMELHO
É a cor do fogo, da paixão, do entusiasmo, Sdas emoções. Ativa a sexualidade e, em alguns casos, pode fazer aflorar a agressividade, valentia, força e tenacidade. Em casa: O ideal são os pequenos toques, um móvel, um objeto, uma única parede. Em excesso, torna-se irritante, tons avermelhados são ideais para salas de estar e jantar.
 
AMARELO
Alegre, ativa o intelecto, o raciocínio e a comunicação, está ligado à criatividade, à disciplina, atenção aos detalhes e à harmonia do todo. Ajuda a clarear as idéias, é aconchegante, positivo e está associado também à flexibilidade e à boa sorte. Em casa: Todos os ambientes em que se pretende estimular as atividades mais cerebrais, escritórios, cantos de estudo, bibliotecas. Na cozinha favorece reuniões de família, no estar, deixa as pessoas mais relaxadas e extrovertidas.
 
LARANJA
É aconchegante e atraente, estimula o otimismo, a generosidade e o entusiasmo, ajudando a levantar o astral. Age sobre o sistema digestivo, despertando o apetite. Em casa: Uma boa cor para as salas de refeição e locais onde a família se encontra para conversar.
 
VERDE
É a cor do equilíbrio, representando a esperança e a abundância, não agita nem relaxa demais, estimula momentos de paz, de cura e o silêncio, pode ajudar a amenizar o stress. Em casa: É indicada para todos os ambientes. No banheiro, em especial, pode-se ter toalhas, plantas ou detalhes de acabamento, pois segundo o Feng Shui, é ali que se purifica o corpo e se renovam as energias.
 
AZUL
Cor fria que tranqüiliza os ânimos e favorece a amabilidade, a paciência e a serenidade. Os azuis muito intensos e os ambientes monocromáticos levam à introspecção e pode ser perigoso para pessoas depressivas. Em casa: Nos tons suaves, acalmam as energias dos quartos de crianças e adultos hiperativos . Ideal também para banheiros e lavabos.
 
VIOLETA
Cor associada à intuição e espiritualidade. Em tonalidades muito fortes, pode agravar o estado depressivo e a dispersão, em tons claros, acalma e aconchega. Em casa: Ideal para locais de meditação e quartos de convalescentes, mas sempre em tons claros, diluídos em branco.
 
BRANCO
É purificador e transformador, representa a paz , a perfeição e o amor divino. Estimula a humildade e a imaginação criativa. Produz sensação de limpeza, frescor e claridade e, ao mesmo tempo, de frieza e esterilidade.
 
PRETO
Está associado universalmente à agressividade, sinalizando sensações de distância e isolamento, no Feng Shui é considerado uma capa de aço, onde o que está fora não entra e o que está dentro não sai. Em casa: Por sua sobriedade, não é raro encontrá-lo em ambientes masculinos, mas a predominância do preto em paredes ou pisos pode tornar o ambiente, além de escuro, opressivo e deprimente. Daí ser indicado para objetos ou detalhes de acabamento, o que torna sofisticado.
 


Agora vejamos alguns exemplos da utilização da cor:

Um armário com divisões assimétricas foi a deixa para uma solução inspirada nos quadros do pintor holandês Piet Mondrian, com linhas retas em preto e o uso de cores puras nas frentes das portas e gavetas, com este esquema de cores primárias o móvel ganha personalidade e diverte o espaço comercial onde foi instalado.
Neste exemplo, uma única parede pintada com técnica esponjada em tom cerâmica ajuda a delimitar a área de refeições, tornando-a acolhedora e ao mesmo tempo criando um ponto de atenção na área social que é toda em amarelo e branco.
Neste quarto de bebê à direita, foi escolhido um tom suave de azul para trazer tranqüilidade ao pequeno, e utilizado stêncil nas paredes, com o mesmo tema dos tecidos.
Nestes dois salões infantis, um mais alegre e vibrante em esquema de azul, branco e amarelo, onde há a possibilidade de festas, e um outro com um esquema mais suave e tranqüilo de azuis, verdes e branco para relaxar as crianças que aí se reúnem para brincar. Nas paredes, stêncil com motivos marinhos.

À esquerda, o canto da lareira em amarelo forte com molduras em branco, proporciona um ambiente mais relaxante para o casal e extrovertido para as reuniões com amigos. O teto foi pintado em amarelo suave para que houvesse o contraste com a moldura branca.

Um profissional pode ajudar muito nessas escolhas, já tem experiência, consegue visualizar o ambiente antes dele estar pronto, pois aquelas amostras de cores das cartelas de tintas podem enganar muito!

Agora, se você quiser tentar sozinha, analise as funções de cada cômodo, pense em quem passará mais tempo nele, estude a psicologia das cores e mãos à obra, mas nunca se esqueça de fazer testes de cor nas paredes e tetos antes de mandar pintar tudo, você pode se surpreender com o resultado!